Conversões em ritmo acelerado no Irã

Confirmando a tese de que quanto mais a igreja apanha, mais ela cresce, foi divulgada recentemente na imprensa internacional o crescimento do número de conversões ao Cristianismo no país dos ayatolás, um dos mais rigorosos no combate à igreja e um dos mais perigosos para alguém que professa a fé cristã viver.

As autoridades iraniana proíbem a abertura de igrejas e a conversão da religião oficial, o Islamismo, é punida com morte, tortura ou prisão. 

Segundo a organização missionária Operation World, em 2015, o Irã foi o país no mundo onde os cristãos, predominantemente os evangélicos, têm o seu crescimento num ritmo mais acelerado, 19,6% ao ano, chegando a bater todos os recordes do número de conversões por séculos. Já considera-se a existência de um milhão de iranianos que professam a fé cristã.

Sem liberdade religiosa, apesar de uma fachada constitucional que quer dizer o contrário, afirmando a proteção às minorias protegidas, entre eles a dos cristãos, o país segue fazendo uma dura repressão contra os convertidos, e isto até piorou nos últimos anos sob a liderança do presidente atual, Hassan Rouhani.

Perseguição muito mal disfarçada

Os "crimes" dos quais os cristãos costumam ser acusados injustamente, apenas para justificar a prisão ou pena de morte, são: realizar ações contra a segurança nacional, espionagem, ou apostasia e blasfêmia. Desde 1981, mais de 120 mil pessoas sofreram as consequências pesadas apenas por professarem uma fé diferente da oficial mantida pelo governo.

Mesmo os iranianos que moram em países da Europa e Estados Unidos também estão se convertendo muito frequentemente. De lá, estes convertidos estão procurando formas de pregar o evangelho no seu idioma, especialmente na língua farsi, através de transmissões via satélite.

Irã segue a China neste tipo de fenômeno cristão

Este mesmo fenômeno de crescimento da igreja e ousadia para pregar, mesmo pagando com a vida ou a liberdade, aconteceu nas épocas em que a perseguição foi mais rigorosa na China comunista.

Pin It